De acordo com Bolsonaro ‘não vai interferir,’ mas que pode mudar política de preços da Petrobras

(Brasília - DF, 01/08/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro durante coletiva com a imprensa com o Ministro de Estado do Meio Ambiente, Ricardo Salles, Ministro de Estado das Relações Exteriores, Ernesto Araújo e Ministro de Estado do Gabinete de Segurança Institucional, General Augusto Heleno. rFoto: Marcos Corrêa/PR

Ele chamou de inadmissível o reajuste de 39% no preço do gás natural. Presidente afirmou, durante posse do novo diretor-geral brasileiro de Itaipu, que enviou um projeto de lei à Câmara dos Deputados para dar transparência a política de preços dos combustíveis. Projeto deve ser pautado em 15 ou 20 dias, segundo o presidente.

O presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) criticou nesta terça-feira (7) os reajustes de preços de combustíveis e disse ser “inadmissível” o aumento de 39% no gás natural anunciado pela Petrobras na segunda-feira. Afirmou que não vai interferir, mas disse que pode mudar a “política de preços” da estatal com o apoio da Câmara dos Deputados.

“É inadmissível anunciar o reajuste de 39% do gás [natural]. Que acordos foram esses? Que contratos são esses? Foram feitos pensando no Brasil pelo período de 3 meses. Não vou interferir. A imprensa vai dizer o contrário. Mas podemos mudar essa política de preços lá’”, afirmou.

O aumento do gás natural é mais um anunciado pela Petrobras ao longo dos últimos dias. Na sexta-feira, a petroleira comunicou um reajuste de 5% do gás de cozinha.

Bolsonaro tem criticado publicamente o aumento de preços praticado pela Petrobras. Em fevereiro, decidiu indicar o general Joaquim Silva e Luna para substituir Roberto Castello Branco no comando da estatal porque se mostrou insatisfeito o reajuste do diesel e da gasolina.

Além da troca na Petrobras, a gestão Bolsonaro promoveu mudanças no comando de importantes estatais. André Brandão renunciou ao cargo de presidente do Banco do Brasil, e Wilson Ferreira Junior deixou o comando da Eletrobras.

Castello Branco, Brandão e Ferreira Junior eram nomes que tinham o respaldo do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do mercado financeiro. Não à toa a troca de comando das estatais já provocou perdas bilionárias para as empresas na bolsa de valores.

Nesta quarta-feira, a fala de Bolsonaro voltou a repercutir no mercado financeiro. O dólar subiu 0,74%, cotado a R$ 5,6404.

Uma fonte: g1.globo.com